CASA - 26/06/2020

Revestir para personalizar

Entre porcelanatos, cerâmicas, vidros e tecidos, ambientes ganham originalidade, segurança e preservação quando são preenchidos com revestimentos



Victor Lisita

O Radiatore, revestimento da Cinex Arch, é um painel de alumínio que pode ser moldado e que permite criar volumes internos ou revestir paredes em linhas retas ou mais sinuosas (Foto: Fábio Lima)

Pense comigo: você está planejando sua casa ou estabelecimento comercial. O projeto está quase completo, já é possível ver com nitidez cada detalhe dos ambientes, os possíveis móveis e até mesmo perceber a sensação do lugar. Só que ainda falta um toque, um traço que dará um “rosto” e diferenciará seu espaço de outros do gênero. Pode ser um quadro, uma luminária ou um toque de natureza. Mas assim como roupas revelam mais sobre sua personalidade, vestir a obra completará o estilo. E é possível fazer isso utilizando revestimentos.

Porcelanatos, cerâmicas, vidros, tecidos, papéis de parede, e por aí vai. Trata-se de uma solução muito utilizada em prol da estética do projeto e por suas vastas funcionalidades. Entusiasta do recurso, a arquiteta Patrícia Neto considera o revestimento como peça fundamental em um trabalho, pois proporciona conforto ao ambiente bem como segurança ao cliente. “Sempre foram muito utilizados na arquitetura. Por possuir alternativas em texturas, cores e materiais, eles fazem com que o espaço fique mais aconchegante”, explica.

Sem muito receio por parte do público em abraçar as inúmeras possibilidades, como afirma Patrícia, são as tecnologias que direcionam o projeto para algum tipo de material. “Existem revestimentos que conseguem imitar estilos, o que pode agregar diferentes aparências. Se é preciso colocar um piso em área molhada, por exemplo, vamos analisar um material que não seja escorregadio.” Na mesma linha, o arquiteto William Hanna salienta que é a atenção aos detalhes que ajuda na durabilidade da obra. “Existem revestimentos que não precisam de manutenção e ajudam até mesmo na impermeabilização de uma fachada”, exemplifica.

Singularidades
Entre as possibilidades, William cita o porcelanato e o vidro como os materiais mais solicitados pelos clientes. No caso do primeiro, o profissional ressalta que, com a aplicação correta, a durabilidade sobressai. “É um recurso prático e fácil para mudar o ambiente sem grandes demolições, no caso de projetos já existentes”, afirma. Entre as fabricantes das peças, a Portinari, revendida em Goiânia pela Lira Acabamentos, se sobressai tanto pela diversidade em texturas, cores e formatos, quanto pela agilidade e acompanhamento no processo para gerar a personalização mencionada anteriormente.

Quanto ao vidro, a Cinex Arch mal completou um ano de vida na cidade e já é referência em revestimentos de alumínio, vidros coloridos e estampados. “Perfeito para dar um toque tecnológico e moderno”, afirma Patrícia. “Também se destaca pela facilidade da limpeza e por permitir impressões customizáveis que simulam outros materiais.” Tendência que vai pelo gosto de cada um e cresce ao lado de um recurso que sempre se mantém em voga: tecidos. “É muito utilizado em tratamentos de acústica. Dependendo do revestimento, o som pode reverberar mais ou menos”, explica a arquiteta.

Caminhando ao lado dos tecidos, os papéis de parede permanecem como uma opção prática e rápida, ambos com diferentes possibilidades de texturização e impressão, como é o caso dos produtos da Revestiflex, linha de revestimentos da Persiflex que trabalha com peças da Bélgica, Itália e Coreia do Sul. “Revestir as paredes com tecidos deixa qualquer ambiente aconchegante”, evidencia William. Independentemente do tipo de linha, o profissional acredita que o recurso possui um futuro promissor no mercado. “Os profissionais estão em busca de peças mais aconchegantes e realistas. E os tecidos possuem um toque mais real que o papel de parede.” Em meio às inúmeras possibilidades apresentadas, você pode até demorar para escolher a ideal, mas uma coisa é certa: seu ambiente ficará coberto de personalidade!

Na porta Collina foi empregada estampa Gris Armani, que se incorporou perfeitamente ao revestimento Pelle Di Vetro, todos da Cinex Arch (Foto: Fábio Lima)

Neste escritório, foi utilizado papel de parede no cobre, à esquerda, o que permitiu mais profundidade à estante (Foto: Marcus Camargo)

A coleção Joy MZ, da Portinari, possibilita a montagem de paginações variadas (Foto: Cristiano Borges)

Matéria publicada na 44ª edição da Revista Zelo

Veja também