CULTURA - 01/07/2020

Sandro Tôrres apresenta série Eu Sou o que Eu Não Seria


 Exposição é constituída de objetos confeccionados durante o período de isolamento e distanciamento social durante a pandemia de Covid- 19 (Foto: Divulgação)

A partir de materiais armazenados e reaproveitados em seu ateliê, o artista plástico Sandro Tôrres dá início hoje (1) a exposição Eu Sou o que Eu Não Seria, que sege até o próximo dia 15 de agosto. A exibição é constituída de objetos confeccionados durante o período de isolamento e distanciamento social – entre março e maio deste ano – durante a pandemia de Covid-19.

Sandro explica que o conceito que permeou a série foi o desvelar dos significados: “Já faz parte do cotidiano do artista se valer de materiais, referências, repertório e inspirações para caminhar no fazer artístico e almejar a criação, perseguindo o ineditismo, o registro do seu tempo e a autossatisfação”. E, nesse momento de reclusão compulsória e introspecção, o processo de criação passou por uma reformatação, excluindo supérfluos e incluindo uma conotação da necessidade absoluta e premente. Para Sandro, criar passou a ser, além do aspecto romântico e diletante, a urgente dose de humanidade de que o mundo tanto tem necessitado, apesar de imprecisa e abstrata no sentido da intangibilidade. Alguns ingredientes do fazer artístico foram reformulados e passaram a se apresentar, inclusive para o artista, de forma ressignificada. Principalmente no que diz respeito ao uso e ao aproveitamento de materiais disponíveis.

A série Eu Sou o que Eu Não Seria é composta por dez pequenos objetos tridimensionais, com narrativas contextualizadas nas aspirações e nas pulsões humanas, a partir de material armazenado (absolutamente nada foi adquirido a partir de março, início do isolamento social). Muitos objetos partiram de outras peças desconstruídas ou suportes adaptados. “Cada objeto possui uma carga emocional e uma ironia própria na forma e/ou no conteúdo”, define Sandro. E ele continua: “os afetos, os anseios e as frustrações são os ingredientes complementares e determinantes, por fim”.

Há uma grande quantidade de discussões, debates e reflexões sobre como será o mundo, as reconfigurações culturais, o impacto em cada setor social e, sobretudo, como será a produção de arte pós-pandemia. Algo certamente não mudará: o afã do artista em se colocar entre os temas que se apresentam e a sociedade, ou seja, a tradução dos códigos dos saberes e fazeres humanos, passando pelo filtro da razão e da emoção individual.

Serviço:
Exposição da série Eu Sou o que Eu Não Seria
Local:
 Arte Plena Casa Galeria – Rua 89, nº 546 – Setor Sul – Goiânia-GO 
Fone: 98414.9617 
Período: 1º de julho a 15 de agosto de 2020
Agendamento: Via direct no instagram da @arteplena.casagaleria ou @sandrotorres23 
E-mail: arteplenacultural@gmail.com

Veja também